Edição 1895 . 9 de março de 2005

Índice
Lya Luft
Millôr
Diogo Mainardi
Tales Alvarenga
André Petry
Roberto Pompeu de Toledo
Carta ao leitor
Entrevista
Auto-retrato
Cartas
Radar
Holofote
Contexto
Veja essa
Gente
Datas
VEJA Recomenda
Os livros mais vendidos
 
 

Saúde
Menos gordura, mais neurose

A cirurgia de redução do estômago
pode levar a depressão, bulimia,
anorexia e alcoolismo, entre
outras doenças psiquiátricas


Giuliana Bergamo

 

Claudio Rossi
Alessandra Cucatti Sarilho,
21 anos, produtora
Cirurgia feita em julho de 2001

Peso antes: 145 quilos
Peso hoje: 55 quilos


DA OBESIDADE À BULIMIA

"Sempre culpei a gordura por minha tristeza. Apesar de ter muitos amigos homens, nunca fui vista como mulher. Era sempre aquela amigona com quem eles podiam contar. Isso me incomodava. Para acabar com o sofrimento, fiz todos os tipos de dieta. Eu emagrecia, mas sempre recuperava o peso. Cheguei ao ponto de pesar 145 quilos, e olha que só tenho 1,65 metro de altura. Foi quando decidi fazer a cirurgia. Os primeiros dois anos foram maravilhosos. Redescobri a vida. Os rapazes passaram a me ver como mulher. Há pouco mais de um ano, meu corpo magro não era mais uma novidade. Aquela tristeza que sentia quando era gorda voltou e eu novamente passei a comer compulsivamente. Culpada e com dores por causa do excesso de comida, eu vomitava. Tornei-me bulímica. Cheguei a vomitar vinte vezes em um único dia. Em um ano, perdi mais de quinze quilos. Procurei tratamento psicológico e hoje tomo antidepressivo. Sinto-me melhor. Vomito cada vez menos e tenho certeza de que vou me curar."



EXCLUSIVO ON-LINE
Em Profundidade: Dietas

Ao longo dos últimos dez anos, quadruplicou o número de obesos mórbidos no Brasil. Com 45 quilos ou mais além do limite recomendável para o seu biotipo, 2 milhões de homens e mulheres estão naquele estágio em que a gordura pode causar complicações que levam à morte. Nesses casos, emagrecer é urgente e o método mais rápido e eficaz para eliminar quantidades tão grandes de tecido adiposo é a cirurgia bariátrica – a fim de limitar a ingestão e a absorção de alimentos pelo organismo do paciente, os médicos reduzem drasticamente o tamanho do estômago. Trazida para o Brasil no fim da década de 70, a cirurgia bariátrica começou a ser realizada em maior escala a partir de 2000, quando alguns seguros particulares e a rede pública de saúde passaram a pagar os custos do procedimento. Hoje, o país só perde para os Estados Unidos em número de procedimentos desse tipo. Todos os anos, 15.000 brasileiros têm o estômago diminuído. O efeito costuma ser impressionante. Passado um ano da operação, perdem-se, em média, 40% do peso inicial. Muitos pacientes continuam gordos, mas todos saem do patamar da obesidade mórbida. A redução do estômago é uma cirurgia de alta complexidade e, como tal, implica perigos. Um deles é a obstrução do intestino dias depois do procedimento. Há, porém, um tipo de complicação pós-operatória que não se relaciona ao ato cirúrgico em si – e sobre o qual pouco se fala. São os transtornos psiquiátricos. Para cerca de 20% dos operados, a conquista da magreza leva a depressão, bulimia, anorexia, alcoolismo, dependência de drogas ou compulsão por jogo, compras ou sexo.

Poucas intervenções são tão radicais quanto as cirurgias de emagrecimento. O estômago reduzido perde até 90% de sua capacidade de absorção. O paciente, antes habituado a consumir até 1 quilo de comida por refeição, vê-se obrigado a satisfazer-se com 100, no máximo 200, gramas, e a voracidade precisa ser substituída pela paciência de mastigar dezenas de vezes uma única garfada. Comer em excesso ou demasiadamente rápido causa um tremendo mal-estar, cujos sintomas vão de náuseas e vômito a taquicardia, engasgos e fraqueza. Um estômago menor requer, assim, disciplina física e reorientação psicológica. O operado tem de aprender a viver e pensar como magro, o que não é fácil. Por esse motivo, diferentemente do que muita gente imagina, o tratamento cirúrgico da obesidade não se encerra com a alta hospitalar. "Esses pacientes requerem acompanhamento para o resto da vida", diz o cirurgião Arthur Garrido, professor da Universidade de São Paulo e pioneiro no Brasil das operações bariátricas. Sem o monitoramento de uma equipe de especialistas, aumentam os riscos de manifestação de transtornos psiquiátricos.

Grande parte dos obesos sofre de compulsão por comida. Submetidos à cirurgia bariátrica, eles não podem mais comer como antes, mas continuam compulsivos – o que faz com que desenvolvam outros distúrbios afins, num processo de compensação. A substituição de uma compulsão por outra é resultado da conjunção de dois fatores. O primeiro deles é de ordem orgânica. Nesses pacientes, a resposta do estômago à ação do hormônio da saciedade é tímida. Além disso, eles são mais suscetíveis ao hormônio da fome (veja quadro). Ou seja, naturalmente sentem mais apetite e têm mais dificuldade para se fartar do que os magros. Os obesos compulsivos por comida sofrem ainda de outro descompasso na química cerebral. Eles produzem poucas quantidades de dopamina e serotonina, substâncias associadas à sensação de bem-estar, determinantes na cadeia de comando cerebral que estabelece o momento de parar de ingerir alimentos por prazer. O resultado disso é que, por mais que comam, nunca estão satisfeitos. Somam-se a esse desequilíbrio neuroquímico fatores psicológicos que fazem com que a comida sirva como válvula de escape para a falta de auto-estima que acomete os obesos. Instala-se, então, um círculo vicioso. "Quando essas pessoas são privadas da comida, por causa da cirurgia, elas buscam novas formas para satisfazer suas carências psicológicas", diz Marlene Monteiro da Silva, psicóloga do Hospital das Clínicas de São Paulo. A dona-de-casa Ana Lúcia Reis dos Santos, de 42 anos, trocou a comida pelas compras. Em 2002, com 115 quilos em 1,62 metro, ela submeteu-se à operação de redução do estômago. Um ano depois, 50 quilos mais leve, quando começou a refazer o seu guarda-roupa, Ana Lúcia se deu conta de que, apesar da silhueta alinhada, continuava doente. "Eu fazia compras com a mesma voracidade e aflição com que comia", lembra. Com psicoterapia e antidepressivos, Ana Lúcia acredita que, em breve, será uma mulher magra com uma conta bancária mais gorda.

As mudanças de hábitos impostas pela redução do estômago podem ser tão penosas que alguns pacientes pedem que a cirurgia seja desfeita – o que nem sempre é possível. Outros criam estratégias para driblar as limitações impostas pelo estômago reduzido e saciar a vontade de comer. A maioria escolhe o leite condensado – que é pastoso, calórico, sacia rapidamente e pode ser digerido com facilidade. Os compulsivos, evidentemente, tomam litros por dia. O comerciante J.S., de 42 anos, enveredou por um caminho mais perigoso. Submetido à cirurgia bariátrica em 1997, um ano depois ele começou a beber. Em pouco tempo, transformou-se num alcoólatra e praticamente parou de comer. Com 1,92 metro de altura, chegou a pesar 78 quilos – 112 menos do que quando foi para a mesa de operação. Com problemas hepáticos e conflitos no casamento por causa da bebida, há um mês ele decidiu finalmente procurar ajuda. Está em tratamento com um psicólogo e um psiquiatra. "Ainda não sei o que é pior: se a obesidade ou o alcoolismo", diz, com a voz embargada. Os arquivos dos principais hospitais e clínicas especializadas em cirurgia bariátrica guardam dramas ainda piores. Há vários casos de pacientes que, em profunda depressão, cometeram suicídio.

Os transtornos psiquiátricos costumam se manifestar entre o primeiro e o terceiro ano subseqüentes à redução do estômago. É quando, passado o entusiasmo com a nova silhueta, os ex-obesos têm de confrontar as limitações que serão para toda a vida. Nesse momento é que, na falta de apoio, o compulsivo volta a manifestar sua doença. A produtora Alessandra Cucatti Sarilho, hoje com 21 anos, tinha 145 quilos acumulados em 1,65 metro de altura quando fez a redução do estômago, em 2001. A euforia com o novo corpo durou dois anos. Depois disso, Alessandra desabou. "Passei a sentir aquela tristeza dos tempos em que eu era gorda", diz. Ela, então, voltou a comer vorazmente, o que lhe causava mal-estar e culpa. A trilha estava aberta para que se tornasse uma bulímica.

Alguns psiquiatras defendem a tese de que as operações bariátricas podem favorecer o surgimento de transtornos alimentares que merecem ser estudados com mais cuidado, apesar de sua semelhança com distúrbios conhecidos. Na anorexia clássica, o doente não come porque se vê mais gordo do que realmente é. Na bulimia tradicional, ele come, mas procura se livrar da comida induzindo o vômito ou tomando laxantes. "Há, entretanto, uma diferença crucial entre esses transtornos e os que se manifestam nas pessoas que passam pela cirurgia: a motivação para tais comportamentos", diz Adriano Segal, psiquiatra da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade (Abeso). "Esses pacientes desenvolvem um tipo de anorexia e de bulimia que ainda não foram descritos na literatura médica. Eles deixam de se alimentar não por uma percepção distorcida do próprio corpo, mas porque têm medo de voltar a engordar." Apesar de sutil, essa distinção é essencial para que se criem métodos de tratamento específicos – tanto remédios como terapias – para os ex-obesos que sofrem de tais males.

 


 

 
Claudio Rossi
Ana Lúcia Reis dos Santos,
42 anos, dona-de-casa
Cirurgia feita em 2002
Peso antes: 115 quilos
Peso hoje: 65 quilos


MAGRA, MAS ENDIVIDADA

"Desde criança fui gordinha. Aos 13 anos, tomei escondido o primeiro remédio para emagrecer. Quando minha mãe descobriu, ela me levou ao médico. Desde então, não parei mais de fazer dieta. Emagrecia e voltava a engordar. Eu me empanturrava de comida num dia porque jurava que no dia seguinte começaria mais uma daquelas dietas milagrosas. O tal do "dia seguinte", porém, nunca chegava. Optei pela operação. Quando tive de comprar roupas novas, comecei a consumir compulsivamente. Fazia compras com a mesma voracidade com que comia. Eu sabia que não tinha dinheiro para pagar tudo aquilo, mas, mesmo assim, não conseguia me controlar. Depois de seis meses, fui em busca de tratamento psiquiátrico. Hoje, faço terapia, tomo remédio e tento me livrar das dívidas."

 

Harmonia entre mente e estômago

 
Antonio Milena
Raphael Falavigna
Adas, antes e depois da cirurgia: compulsão sob controle

O empresário paulista William Adas, de 36 anos, pesava 163 quilos em 2002. Com sérias limitações por causa da obesidade mórbida, ele foi submetido à cirurgia bariátrica em novembro daquele ano. Num período que se estendeu por dezesseis meses, VEJA acompanhou o início de sua transformação. Hoje, 61 quilos mais magro, Adas lembra que os dois meses subseqüentes à operação foram muito difíceis. Antes da cirurgia, ele ingeria 1 quilo de comida a cada refeição. Depois, não agüentava mais do que 200 gramas. "A luta contra a vontade de comer era muito penosa", diz ele. "Meu estômago não conseguia acompanhar a minha gula." Graças às visitas periódicas a especialistas das mais diversas áreas, Adas aprendeu a controlar a compulsão. "Hoje eu como um bife pequeno no almoço e me sinto plenamente satisfeito", afirma. O trabalho de adaptação ao novo estômago começa geralmente um mês antes da cirurgia. Médicos, psicólogos e nutricionistas têm a missão de preparar o paciente para as privações que virão. Realizada a operação, o paciente é monitorado de três em três meses durante um ano. Se até esse momento tudo tiver corrido bem, as avaliações passam a ser semestrais pelos próximos três anos. Só então elas se tornam anuais (pelo resto da vida). Infelizmente, muitos pacientes deixam de fazer esse acompanhamento e se tornam presas fáceis para as compulsões.

 
 
 
 
topovoltar