Edição 1 652 -7/6/2000

VEJA esta semana

Brasil
Internacional
Geral
Soldado gay morto por colegas tinha namorado transexual
Livro de fotos mostra a saga do povo da Amazônia
Redesenhado, o velho patinete está de volta
Vôlei de praia brasileiro pode bater recorde em Sydney
O Gol 1000 turbinado
Os hotéis pós-modernos chegam ao Brasil
Brasileiras pintam cabelos de loiro para vencer na vida
Prêmio para solução de enigmas da ciência dos números
Países desenvolvidos estão entulhados de PCs velhos
Bolhas do Sol podem ajudar a entender o clima na Terra
Multinacionais reservam cotas para minorias
Bolsas diminuem e as mulheres adotam uma sacola extra
Estudo diz que dom João VI foi envenenado
Escândalo de grampo e traição entre emergentes cariocas
A criminalidade apavora a classe média

Economia e negócios
Guia
Artes e Espetáculos
Colunas
Luiz Felipe de Alencastro
Gustavo Franco
Diogo Mainardi
Roberto Pompeu de Toledo
Seções
Carta ao leitor
Entrevista
Cartas
VEJA on-line
Radar
Contexto
Holofote 
Veja essa
Notas internacionais
Hipertexto
Gente
Datas
Cotações
Para usar
Veja recomenda
Os mais vendidos

Banco de Dados 

Para pesquisar digite uma ou mais palavras no campo abaixo. 


 

Mataram o rei

Exames comprovam que João VI, rei de Portugal,
morreu envenenado com arsênico

 

Dom João VI: desprezado pela mulher

Uma equipe composta de dois arqueólogos e um médico-legista começou a rescrever a História de Portugal. Exames químicos realizados pelo time de pesquisadores comprovaram que o rei dom João VI morreu envenenado com arsênico. As análises das vísceras do monarca detectaram uma quantidade de veneno quase quatro vezes maior que a necessária para matá-lo, confirmando as suspeitas de que o rei, morto em 1826, foi assassinado. Na época creditou-se sua morte a complicações digestivas, ocorridas logo após um jantar em família. Mas logo surgiram boatos de que ele havia sido envenenado. As pesquisas que desvendaram o mistério agora criaram outro ainda mais inquietante: quem matou o rei? "Trabalho com fatos. Minha função de arqueólogo está feita. O resto cabe aos historiadores", disse a VEJA Fernando Rodrigues Ferreira, chefe da equipe de pesquisadores.

Dom João VI foi o rei de Portugal que em 1808, fugindo das tropas de Napoleão que invadiram o país, transferiu a corte para o Brasil. Por aqui ficou até 1821, quando uma revolta na cidade do Porto o obrigou a retornar. Partiu levando sua esposa, Carlota Joaquina, e sete dos oito filhos vivos. Só dom Pedro, o mais velho, ficara no Brasil na condição de regente. Em Portugal, o rei foi obrigado a jurar a Constituição liberal, provocando a indignação da mulher e do filho dom Miguel, ambos de olho no trono real. Carlota Joaquina, que considerava o marido excessivamente tolerante, uniu-se a dom Miguel e passou a conspirar contra o marido. Em 1824, após uma tentativa fracassada de golpe para derrubar o rei, Carlota foi confinada no Paço de Queluz, e dom Miguel, exilado em Viena. Dois anos depois o rei morria, misteriosamente. Será que a rainha está por trás do crime? Carlota devotava total desprezo ao marido, e as más línguas na corte diziam que ele não era o pai dos últimos filhos dela. Nada que um bom exame de DNA não pudesse esclarecer hoje em dia.

O corpo de dom João VI foi embalsamado e levado para o Panteão dos Reis de Bragança, no mosteiro de São Vicente de Fora, em Lisboa. As vísceras e o coração acomodados em um pote de porcelana foram depositados em uma caixa de madeira e enterrados no chão da Capela dos Meninos de Palhavã, no mesmo mosteiro. Em 1993, durante a restauração do mosteiro, o arqueólogo Ferreira encontrou dois potes similares aos que continham os despojos do rei. Ao notar que o material daqueles potes estava em bom estado de conservação, teve a idéia de procurar pelos restos do rei com o propósito de desvendar o mistério sobre sua morte. As vísceras do monarca estavam quase reduzidas a pó, mas, segundo os pesquisadores, em condições de ser analisadas. "O arsênico era muito usado para envenenar pessoas, já que algumas formas da substância não são perceptíveis ao olfato e ao paladar", explica Ferreira. Para infelicidade do rei, um copo d'água com arsênico é idêntico a um copo de água pura.