Edição 1 656 -5/7/2000

VEJA esta semana

Brasil
Internacional
Geral
Muhammad Yunus, o banqueiro bonzinho de Bangladesh
Por que tantas pessoas acreditam em óvnis
A chuva cai, mas não traz solução para a miséria da seca
O bolo com a foto do homenageado
Restaurantes caros entregam marmita nos escritórios
Trânsito e violência fazem surgir o helicóptero coletivo
Empresas virtuais começam a dispensar empregados
Uniformes que melhoram a performance dos atletas
Ronaldinho envolve-se em escândalo
Souza Cruz terá de pagar indenização a fumante
O sucesso das modelos brasileiras
Como e quando o genoma afetará sua vida

Economia e negócios
Guia
Artes e Espetáculos
Colunas
Stephen Kanitz
Gustavo Franco
Diogo Mainardi
Roberto Pompeu de Toledo
Seções
Carta ao leitor
Entrevista
Cartas
VEJA on-line
Radar
Contexto
Holofote 
Veja essa
Arc
Notas internacionais
Hipertexto
Gente
Datas
Cotações
Para usar
Veja recomenda
Os mais vendidos

Banco de Dados 

Para pesquisar digite uma ou mais palavras no campo abaixo. 


 

Óvnis.
Por que tantos acreditam

Novas pesquisas, fenômenos misteriosos
e ficção científica alimentam a fé
generalizada na vida fora da Terra

Sérgio Ruiz Luz

 
Milton Carelo
O Grupo de Estudo Ufológico da Baixada Santista, que faz vigílias em busca de discos voadores: "Não faz sentido estarmos sozinhos"

A descoberta de indícios de água em Marte, há duas semanas, serviu para renovar uma das mais enraizadas crenças da humanidade: a de que não estamos sozinhos no universo. Se somente o sistema solar, com seu minguado cinturão de planetas, é o lar de dois mundos capazes de suportar a vida, o que dizer de bilhões de estrelas que existem apenas na Via Láctea? A crença na existência de outras civilizações inteligentes em galáxias distantes nunca esteve tão viva. Um levantamento recente feito pela revista Life mostra que mais da metade dos americanos acreditam nessa possibilidade. A convicção de que os ETs estão a nossa volta é mais controversa. Um em cada três acredita que os alienígenas já visitaram nosso planeta. Nos Estados Unidos, há 100.000 pessoas envolvidas na investigação de objetos voadores não identificados, os óvnis (ou ufos, na sigla em inglês bastante usada no Brasil), que é o tema principal de 38 revistas especializadas. O fenômeno é global. A China tornou-se um dos centros mundiais de estudos sobre visitantes extraterrestres, graças à brigada de 40.000 ufólogos. No Brasil, a comunidade é bem menor, mas bastante ativa. Cerca de 300 pessoas, espalhadas por organizações como o Grupo de Estudo Ufológico da Baixada Santista, dedicam-se ao estudo de óvnis. Com base na cidade do Guarujá, a 90 quilômetros da capital paulista, esse grupo reúne dezoito pesquisadores, que realizam vigílias noturnas para tentar fazer flagrantes das aparições de óvnis. Nessas ocasiões, eles passam a madrugada vasculhando o céu com a ajuda de telescópios, lunetas, binóculos e filmadoras. "Não é razoável supor que somos únicos no cosmo", diz o desenhista arquitetônico Wallacy Albino, 31 anos, um dos membros da trupe.


Aparição nos Estados Unidos: coisas estranhas acontecem, mas em geral as provas são precárias e os casos, exagerados

Vários motivos contribuem para que, nesta virada de milênio, a existência de vida extraterrestre tenha ganho espaço e credibilidade. Em parte, isso acontece por causa do avanço do conhecimento astronômico, dos novos telescópios e das fotografias das sondas espaciais da Nasa (as fotos do que parecem ser canais de águas em Marte foram produzidas por uma espaçonave, a Mars Global Surveyor). Quatro anos atrás, os cientistas pensaram ter descoberto sinais de vida num meteorito marciano. Mais tarde, viu-se que não era bem assim, mas o fato já havia causado tremenda expansão de uma nova ciência, a astrobiologia. Mais de 400 astrobiologistas estão hoje vasculhando os piores lugares da Terra, tentando descobrir se a vida pode existir em lugares impróprios, como o fundo de vulcões. Chris McKay, um desses especialistas, encontrou um lago na Antártica com características muito parecidas com as encontradas pela sonda Galileo na superfície de Europa, uma misteriosa lua de Júpiter. Os trabalhos de McKay na Antártica vão servir como um grande laboratório para as futuras explorações ao satélite. Tudo isso ajuda a criar o clima científico para uma crença que cresce sem depender de comprovação científica. O astrônomo americano Carl Sagan, um grande divulgador científico, dedicou sua vida à busca de sinais de vida inteligente no cosmo. Até sua morte, em 1996, ele foi um dos principais entusiastas e defensores dessa possibilidade. "E se as antigas idéias da ficção científica realmente acontecessem?", indaga ele no livro O Mundo Assombrado pelos Demônios. "Quem poderia deixar de se interessar?", prossegue ele. "Imerso nesse material, até o cínico mais crasso se perturba."


Jan Staller
O astrobiologista Chris McKay, da Nasa: busca de exemplos de vida adaptados a condições extremas de temperatura


Não é necessário ser cínico nem crédulo para acreditar em aparições de óvnis. Eles seriam mais facilmente descartados se fossem todos produzidos por lunáticos. Não é o caso. Coisas espantosas acontecem diante de pessoas respeitáveis e ponderadas (veja quadro). Ozires Silva, presidente da Varig e ex-ministro, teve seu contato com o inexplicável em 1986. Ele tinha decolado de Brasília num avião Xingu rumo à cidade de São José dos Campos, em São Paulo. No caminho, foi surpreendido por uma misteriosa aparição. "Tinham formato alongado e uma coloração amarela e vermelha", conta Ozires. À medida que o avião foi se aproximando de São Paulo, as luzes desapareceram misteriosamente. "Até hoje não tenho certeza sobre o que vi", diz Ozires, que acredita na possibilidade de vida fora do planeta Terra. "Não temos explicações prontas para todos os fenômenos do universo." Quase todas as investigações conduzidas sobre a aparição de óvnis resultaram em explicações convincentes, que descartaram o extraordinário. Mas há sempre episódios e hipóteses em quantidade suficiente para alimentar a imaginação. Outra fonte da crença generalizada na existência de vida alienígena nada tem a ver com fatos reais. São as obras de ficção científica em livros e filmes. É curioso como, além de alimentar o interesse em torno do tema, elas determinaram o formato das naves e dos extraterrestres no imaginário popular.

Acreditar em histórias fantásticas ou seres de outros planetas oferece à humanidade a excitante sensação de que existem fatos presentes no mundo e no universo que vão além das coisas com que estamos familiarizados. "As pessoas levam a sério as histórias de ETs pela mesma razão que acreditam no monstro do Lago Ness e nas histórias de fantasmas", afirma o paleontólogo Peter Ward, um dos autores do livro Rare Earth – Why Complex Life Is Uncommon in the Universe (Terra Rara – Por que a Forma Complexa de Vida é Incomum no Universo). A tese de Ward é de que a vida inteligente surgiu na Terra por uma conjunção rara de fatores, difíceis de ser repetidos em outro lugar das galáxias. Lançada nos Estados Unidos no início deste ano, a obra provocou polêmica justamente porque rema na direção contrária da crença generalizada.

Há décadas a ciência investe na investigação de vida fora do planeta Terra. As missões espaciais representam apenas o aspecto mais visível e glamouroso das buscas. Uma das áreas consideradas mais promissoras são as pesquisas que envolvem a tentativa de entrar em sintonia com sinais alienígenas emitidos no espaço (e, é bom que se diga, sem nenhum resultado até agora). O mais famoso centro do tipo, o Seti Institute, da Califórnia, anunciou neste ano o início da construção de um super-radiotelescópio de 25 milhões de dólares para captar sons alienígenas. Mais de 1,5 milhão de pessoas se apresentaram como voluntárias para ajudar no trabalho de monitorização. "Não faz sentido gastar milhões tentando sintonizar ruídos suspeitos se os ETs estão em nosso quintal", afirma o ufólogo Ademar Gevaerd, presidente do Centro Brasileiro de Pesquisas de Discos Voadores. Uma das razões pelas quais os ufólogos não se deixam desanimar com a falta de comprovação de suas teorias está exatamente no fato de boa parte deles acreditar na existência de uma conspiração governamental para esconder a verdade da população. Essa idéia foi levada às telas pelo seriado Arquivo X, de espetacular sucesso (veja quadro).

 

Como tudo o mais neste planeta, a ufologia é também um negócio. Muitas localidades envolvidas em fenômenos extraordinários conseguiram transformar o assunto numa rendosa indústria turística. A cidade de Roswell, nos Estados Unidos, talvez a mais famosa do mundo dos óvnis, recebeu no ano passado mais de 180.000 visitantes e sua principal loja de suvenires faturou no mesmo período 1 milhão de dólares. O exemplo começa a ser imitado em Varginha, no interior de Minas Gerais. Ali, quatro anos atrás, dois alienígenas com chifres e olhos vermelhos teriam sido capturados por soldados do Exército e do Corpo de Bombeiros da cidade. A associação comercial do lugar acaba de registrar a marca "ET de Varginha" e pretende usá-la numa linha de produtos. O caso é um exemplo de como um episódio mal explicado ganha enorme repercussão. O que ocorreu de verdade em 1996: num dia em que estavam caminhando de volta para casa, três jovens moradoras tomaram um susto com a visão de uma criatura estranha. Saíram gritando pelas ruas, certas de que haviam topado com o demônio. A imprensa e os ufólogos se encarregaram de transformá-lo no "ET de Varginha".

 

Eles acreditam

A crença na vida extraterrestre e mesmo na existência de discos voadores está longe de ser privativa de excêntricos. Personalidades sérias e ponderadas, como cientistas renomados e chefes de Estado, já confirmaram sua fé no assunto. Alguns deles usaram até o poder de seus cargos para investir em pesquisas para decifrar alguns dos enigmas registrados nos céus.

 
Ana Araujo
Claudio Versiani

ALBERTO CARDOSO
O ministro do governo FHC acha que os ETs são energias que se deslocam instantaneamente

OZIRES SILVA
O atual presidente da Varig perseguiu luzes misteriosas no céu de São Paulo

EDUARDO FREI
O ex-presidente chileno criou em 1997 uma comissão para análise de óvnis no país

GISCARD D'ESTAING
Quando presidente da França, em 1976, fundou um centro de análises científicas de ufos

JIMMY CARTER
O ex-presidente americano afirmou ter visto um óvni durante um comício

 
Saiba mais
Dos arquivos de VEJA
  Riachos marcianos
Da internet
  Astrobiology at Nasa
  Revista Brasileira de Ufologia
  The Planetary Society