BUSCA

Busca avançada      
FALE CONOSCO
Escreva para VEJA
Para anunciar
Abril SAC
Publicidade
REVISTAS
VEJA
Edição 2063

4 de junho de 2008
ver capa
NESTA EDIÇÃO
Índice
COLUNAS
André Petry
Claudio de Moura Castro
Diogo Mainardi
Millôr
Roberto Pompeu de Toledo
SEÇÕES
Carta ao leitor
Entrevista
Cartas
VEJA.com
Holofote
Contexto
Radar
Veja essa
Auto retrato
Gente
Datas
VEJA Recomenda
Os livros mais vendidos
 

Internet
Votar nunca mais será igual

Na primeira eleição presidencial com o YouTube,
a tecnologia muda a paisagem política nos EUA


André Petry, de Nova York


TODOS DENTRO DA REDE
Obama, Hillary e McCain, comseus sites de campanha: jamaistantos americanos fizeram doaçõesfinanceiras a seus candidatos

O senador Barack Obama estava celebrando suas vitórias mais recentes quando a bomba caiu sem aviso prévio. Um vídeo mostrava o pastor de sua igreja fazendo um sermão explosivo. Dizia que o atentado de 11 de setembro foi um castigo para as barbaridades promovidas pelos Estados Unidos no exterior e que os americanos, em vez de cantarem "Deus abençoe a América", deveriam cantar "Deus amaldiçoe a América". O vídeo começou a pipocar no YouTube, em diferentes edições. Uma, cinco, vinte, quarenta. Em seguida, somaram-se as imagens das reportagens sobre o assunto. Pressionado pela enorme repercussão, Obama rompeu publicamente com seu pastor. A senadora Hillary Clinton ainda festejava a enrascada de seu adversário quando apareceu outro vídeo: mostrava ela mesma desembarcando serenamente na Bósnia em 1996. As imagens desmentiam o relato dramático feito pela senadora, dias antes, segundo o qual descera do avião debaixo de fogo cruzado e, para escapar com vida, refugiara-se num abrigo no aeroporto. O vídeo do seu tranqüilo desembarque foi parar no YouTube, ao qual logo se somaram imagens das reportagens televisivas sobre o assunto. Diante do barulho, Hillary teve de admitir que abusara da criatividade ao descrever aquela viagem.

Os dois casos – o de Obama com seu pastor destemperado e o de Hillary com sua anedótica visita à Bósnia – mostram o que está acontecendo na primeira eleição presidencial nos Estados Unidos depois da criação do YouTube, um site lançado em fevereiro de 2005 em que qualquer internauta pode colocar vídeos, de qualquer qualidade, e assistir aos milhares, aos milhões, aos bilhões de vídeos que já fazem parte de seu acervo. O YouTube, associado à disseminação dos blogs sobre política, dos sites de relacionamento e das aparentemente infinitas possibilidades abertas pela internet, está mudando a maneira de fazer campanha eleitoral nos Estados Unidos e tudo indica que mudará as campanhas em todo o mundo democrático. Os especialistas acham que acabou o tempo em que o comando das campanhas exercia – ou tentava exercer – controle absoluto sobre o candidato, da cor de sua gravata à escolha das palavras de um discurso. Em campanhas regionais, já houve o caso do candidato que, filmado cochilando numa reunião, virou a coqueluche do ridículo no YouTube e perdeu a eleição. Ou do candidato que foi flagrado chamando um imigrante indiano de "macaco", e também perdeu a eleição. A novidade, agora, é que todas essas possibilidades tecnológicas estão atuando numa eleição presidencial e diante de uma audiência nacional.

Um dos efeitos mais notórios da popularização da internet está nas finanças eleitorais. O dinheiro continua sendo fundamental numa campanha, mas a internet está conseguindo transformá-lo num dado um pouco menos decisivo ao reduzir a importância da televisão. Os democratas gostam de lembrar o caso da deputada Carol Shea-Porter, de New Hampshire, que não recebeu um tostão do partido, recolheu só 300 000 dólares e venceu um adversário poderoso, que concorria à reeleição e arrecadara três vezes mais. A seu favor, contou sua rede de "netroots", como é chamada a comunidade de pessoas politicamente ativas através da internet. Os netroots divulgaram a candidatura de Shea-Porter numa dimensão que, nos tempos pré-internet, só seria viável pela TV, e a um custo altíssimo. Há três meses, o rapper Will.i.am, do grupo Black Eyed Peas, remixou um discurso de Obama numa música, convidou algumas celebridades para cantar trechos e colocou o resultado no YouTube. O retorno foi estrondoso. Com gasto zero em veiculação, o clipe já foi visto por 8,5 milhões de internautas. Além disso, produziu filhotes bem-humorados, como o vídeo Bilionários por Bush, que faz uma sátira do tratamento privilegiado dado aos mais ricos pelo atual governo republicano.

NO REINO DOS VÍDEOS
Um clipe que mistura discurso de Obama com música (acima) e um vídeo que satiriza privilégios dos ricos no governo Bush: o YouTube vira território livre da política

A mobilização proporcionada pela internet é sem precedentes, seja para engordar a multidão de um comício, seja para rechear o cofre de uma campanha. "A internet permite que os candidatos encontrem gente nova, que nunca antes contribuiu financeiramente para uma campanha, e sem gastar fortunas com mala-direta", diz Michael Malbin, diretor da Campaign Finance Institute, entidade apartidária que monitora as finanças eleitorais. "O número de pessoas financiando as campanhas só cresce, e, graças principalmente à internet, quase metade do dinheiro chega na forma de contribuições pequenas, inferiores a 200 dólares, mas vem de milhões de contribuintes." A campanha de Obama, que de longe faz o uso mais inteligente da internet, arrecadou 263 milhões de dólares de janeiro de 2007 até agora. Desse total, 47% foram contribuições de até 200 dólares. É o maior porcentual. No caso de Hillary, sua campanha recolheu menos de 200 milhões de dólares no mesmo período, e apenas 33% do total foram de contribuições menores que 200 dólares. O pior desempenho é o do republicano John McCain. Ele ainda não bateu a marca dos 100 milhões de dólares, e só 23% das contribuições vieram em pequenas quantias.

Por ironia, o primeiro político de dimensão nacional a perceber a importância da internet foi justamente McCain, quando tentou ser o candidato à Casa Branca em 2000, mas perdeu para Geor-ge W. Bush. Naquela pré-campanha, McCain assombrou o mundo político ao levantar 7,5 milhões de dólares pela internet. Até hoje ninguém entendeu como nem por que os republicanos, tendo uma estréia tão promissora, ficaram tão retardatários no uso político da rede. Na campanha presidencial de 2004, os democratas já pularam na frente e foram mais competentes para explorar as novidades tecnológicas, com destaque para Howard Dean. Ele, que hoje preside o Partido Democrata, promoveu uma gincana financeira na internet e ultrapassou suas metas de arrecadação. Dean terminou perdendo a indicação para John Kerry, mas deixou uma herança apreciá-vel ao expandir o uso da internet: ele começou a usar a rede como instrumento para mobilizar cabos eleitorais, energizar a militância, organizar eventos de campanha. "A internet está ajudando a renovar a democracia ao permitir que os eleitores tenham um papel muito mais ativo do que antes", festeja Simon Rosenberg, fundador e presidente da NDN, entidade que, entre outras coisas, estuda o alcance das novas tecnologias.

Antonio Ribeiro
ADIANDO O USO DA TECNOLOGIA
A estréia da TV nos debates presidenciais no Brasil, em 1989, e nos Estados Unidos, em 1960: parecer do TSE já sugeriu travar – de novo – o avanço tecnológico
AP

No site oficial da campanha de Obama, pode-se localizar com facilidade um evento político nas vizinhanças: basta que o internauta informe seu código de endereçamento postal. Na semana passada, dentro de um raio de 150 quilômetros ao redor de Nova York, seu site divulgava uma lista de 173 eventos, entre já realizados e por se realizar. Ampliando-se o raio para 300 quilômetros, o número de eventos subia para 261. O site de Obama contabiliza 750 000 voluntários ativos, 8 000 grupos de afinidade e, na semana passada, informava já ter recebido contribuições de 1,5 milhão de doadores pela internet. As páginas dos candidatos na rede são copiadas uns dos outros, com pequenas diferenças. Isso acontece porque ninguém sabe ainda como usar a novidade. Em 1960, quando aconteceu o primeiro debate entre candidatos pela televisão, Richard Nixon perdeu feio para John Kennedy, mas aprendeu a lição. Em 1968, usou a TV com competência a seu favor. No Brasil, o ex-presidente Fernando Collor foi o primeiro a explorar com criatividade a televisão na campanha de 1989, usando recursos de computação gráfica então desconhecidos no país – embora também tenha inovado em baixarias.

A internet é ainda um território propício para a política da difamação, do massacre de caráter, mas aos poucos seu uso vai sendo disciplinado. Para que tenha impacto razoável, essa mídia precisa ser suficientemente difundida. Nos Estados Unidos, cerca de dois terços das famílias têm acesso à rede – e metade usa banda larga, ou seja, tem acesso rápido, memória ampla e pode ficar on-line o dia inteiro. No Brasil, o número de internautas também é crescente, mas o Tribunal Superior Eleitoral já se encarregou de travar a modernidade ao proibir que os candidatos às eleições municipais deste ano usem várias ferramentas para conseguir votos. Um parecer técnico do TSE veda a divulgação de blogs, o envio de mensagens eletrônicas e até a veiculação de vídeos no YouTube. É uma pena. Excluir a internet do universo da política talvez seja uma forma de também excluir da política as gerações mais jovens. Talvez seja, ainda, reflexo de uma mentalidade que, cedo ou tarde, será superada pelos novos padrões impostos pela globalização. Afinal, todas as relações sociais – no âmbito do comércio, da cultura, da ciência, das idéias, do comportamento – são crescentemente globalizadas. A política, ainda que exercida dentro dos limites das fronteiras nacionais, será uma exceção?



Publicidade
 
Publicidade

 
  VEJA | Veja São Paulo | Veja Rio | Expediente | Fale conosco | Anuncie | Newsletter |